jQuery(function($){ if (!$('#et-info').length) { $('#top-header .container').prepend('
'); } $('#et-info').prepend('xxx'); });

Sistema de Reuso de Lavagem de Veículos Leves

Linha VL

MTX – VL 500 – Vazão 500L/h (atende 40 carros/ dia)

Necessita 2 cisternas (mínimo de 5000L cada)

CSAO de 800L/h.

MTX – VL 1000 – Vazão 1000L/h (atende 80 carros/ dia

Necessita 2 cisternas (mínimo de 5000L cada)

CSAO de 2000L/h.

MTX – VL 2000 – Vazão 2000L/h (atende 160 carros/ dia

Necessita 2 cisternas (mínimo de 5000L cada).

CSAO de 3000L/h.

Linha ECO

MTX-ECO -500 – Vazão 500L/h (atende 40 carros/ dia)

Necessita 2 cisternas (mínimo de 5000L cada)

CSAO de 800L/h.

MTX – VL 500 – Vazão 500L/h (atende 40 carros/ dia)
Necessita 2 cisternas (mínimo de 5000L cada)
CSAO de 800L/h.

1. DESCRIÇÃO DOS SISTEMA

Tendo em vista as características típicas do efluente oriundo da lavagem de veículos leves/peças, foi desenvolvido um sistema específico e compacto para efetuar o tratamento e reúso de água.

O sistema de tratamento visa a remoção de sólidos sedimentáveis, sólidos em suspensão, redução de surfactantes e também promove a desinfecção do efluente, a fim de se garantir segurança sanitária da água tratada. O equipamento VL 500 é, portanto, uma unidade de tratamento físico-química convencional, composto pelas etapas:

• Coagulação;
• Floculação Helicoidal;
• Sedimentação;
• Filtração;
• Desinfecção;

O sistema está dimensionado de forma a suprir à demanda de água necessária ao reúso no próprio processo de lavagem de carros, pick-ups, motocicletas, peças, etc.

Além disso, a implantação de um sistema de aproveitamento de águas com sistemas físico-químicos compactos proporcionam uma série de outras vantagens tais como:

• Baixo impacto ambiental;
• Água com qualidade aceitável para vários fins com pouco tratamento;
• Baixa quantidade de espuma na água tratada;
• Complementa o sistema convencional;
• Conveniência (o suprimento ocorre no ponto de consumo);
• Fácil manutenção;
• Baixos custos de operação e manutenção;
• Qualidade de água de reúso excelente, não casionando incrustações;
• As tecnologias disponíveis são flexíveis;

2. DESCRIÇÃO DO PROCESSO

Após o serviço de lavagem, a água apresentará grande concentração de sólidos em suspensão, cor, odor e turbidez. Esta água residual apresenta-se turva e com odor característicos.

O efluente receberá um tratamento preliminar com o objetivo de remover os sólidos grosseiros e o óleo que ainda encontra-se no efluente, passando respectivamente por uma caixa de areia e uma caixa separadora de água e óleo (CSAO) Não Incluso!!

Após a passagem pelo sistema preliminar, o efluente seguirá por gravidade até um reservatório ou cisterna subterrânea, que armazenará a água para o processo de tratamento.

Por medida de controle e segurança, recomenda-se construir um tubo extravasor para este reservatório, que deverá ser interligado com a rede coletora de esgoto ou encaminhado para outra unidade de tratamento de efluentes, como fossa-filtros e etc.

Obtendo um nível mínimo para o funcionamento, o sistema irá ligar automaticamente, recalcando a água para a VL 500.

Na entrada do sistema, a bomba dosadora de polímero irá injetar Polímero Orgânico, para coagulação do efluente a ser tratado.

Caso haja necessidade, a bomba dosadora de soda ou barrilha entrará em funcionamento para dosagem de alcalinizante, a fim de acertar o pH de floculação, melhorando o processo e reduzindo consideravelmente a formação de espuma.

O efluente seguirá para a primeira etapa, que segue:
– Tanque de Mistura e Decantação
* Misturador Helicoidal (promoverá a mistura dos químicos com o efluente, sem a necessidade de agitação mecânica);
* Decantador Fundo Cônico (os sólidos floculados irão decantar nesta etapa, passando apenas o efluente com baixa quantidade de sólidos para a próxima etapa;

Após a coagulação, floculação e decantação, o efluente seguirá para um conjunto composto por dois filtros, sendo o primeiro de zeólitas e o segundo de carvão ativado, polindo o efluente, removendo os sólidos ainda restantes e o residual de cor, odor e turbidez.

Na saída do equipamento, a água tratada receberá a dosagem de hipoclorito de sódio, para adequação às normas sanitárias vigentes, e posterior armazenagem, de onde retornará para o sistema de lavagem novamente.

A ordem de economia de água é de 80 a 85%, sendo que o diferencial de perda é composto por evaporação e água tratada destinada à retrolavagem dos filtros.

IMPORTANTE:

– Os produtos químicos não são escopo de fornecimento da fabricante, apena será fornecido suficiente para o startup;
– O local onde será posto o equipamento deve ser especialmente preparado para suportar seu peso vazio e em operação.
– O ideal que seja um local abrigado de interpéries (sol, chuva) uma simples cobertura é o suficiente, até mesmo para facilitar a operação.
– É importante que o equipamento não fique acessível a curiosos para evitar danos ao mesmo ou acidentes.
– O sistema 500L/H

3. ESCOPO DE FORNECIMENTO

5.1 – Projeto do Sistema;
5.2 – Croqui de instalação;
5.3 – Folhas de dados dos equipamentos;
5.4 – Manual de operação e manutenção dos equipamentos;
5.5 – Equipamentos descritos abaixo:

SISTEMA VL 500 CONTENDO:

• 1 Skid casa para alocação completa de todo sistema;
• 1 Tanque contendo floculador helicoidal, calculado sob normas, decantador fundo cônico e vertedouro;
• 2 Filtros em PRFV, capacidade para até 1m3/h;
• 2 Válvulas digitais automáticas, capacidade até 2m3/h. para controle da filtração, retrolavagem e abertura de válvulas elétricas;
• 2 Bombas de Sucção e Recalque, 1,0cv trifásico, capacidade para até 2m3/h,
20mca, pressão de 5Bar;
• 2 Reservatórios de Produto Químico, em polietileno, capacidade para 60L;
• 1 Rotâmetro para medição da vazão de entrada e saída do sistema, além de
retrolavagem;
• 02 Válvulas elétricas em PPO/Cerâmica para alternar a retrolavagem do sistema de
água bruta para tratada;
• 1 Válvula de Alívio de Pressão1”;
• Manômetro glicerinado para verificação da pressão de entrada do sistema;
• 1 Painel Elétrico, com contactoras, relés e bornes para funcionamento total
do sistema;

4. EMBALAGENS

A MTX executará a embalagem, nos casos em que julgar necessário, de conformidade com o tipo de material, ficando isenta de qualquer responsabilidade relativa a eventuais danos que os materiais venham a sofrer por condições imprevisíveis durante o trânsito, bem como a extravio de peças e de componentes.

5. GARANTIAS

Todos os equipamentos fornecidos pela MTX têm total garantia contra defeitos de projeto, fabricação e/ou devido a materiais defeituosos, por um período de 01 (um) ano após o término da sua montagem e dos testes finais, quando será emitido um Certificado de Aceitação do Equipamento.

a) A presente garantia somente será válida se o equipamento for supervisionado por técnico da MTX. Exime-se a MTX de toda a responsabilidade, caso estes serviços sejam executados por terceiros e não sejam obedecidas as

b) especificações do projeto, aplicando-se o mesmo critério na execução de reparos ou modificações.

c) O equipamento defeituoso não poderá ser operado, principalmente, quando evidenciado que a contínua operação puder resultar em danos para o mesmo e/ou perigo para a instalação.

Nos termos desta garantia, a MTX se responsabiliza apenas pelos defeitos acima referidos, sempre dentro das Especificações Técnicas. A MTX não será responsabilizada por danos, perdas diretas ou indiretas, coisas ou pessoas, lucros cessantes ou perdas de produção, prejuízos originados do desgaste natural, corrosão, erosão, etc.

 

Outros modelos similares:

MTX – VL 1000 – Vazão 1000L/h (atende 80 carros/ dia
Necessita 2 cisternas (mínimo de 5000L cada)
CSAO de 2000L/h.

MTX – VL 2000 – Vazão 2000L/h (atende 160 carros/ dia
Necessita 2 cisternas (mínimo de 5000L cada).
CSAO de 3000L/h.